icon-fone
(48) 3228-5140 / 3228-5121
Segunda a sexta / 08h às 12h / 14h às 18h
  Segunda, 13 Novembro 2017 12:05

Desafios da sociedade e dos trabalhadores com a nova realidade social brasileira

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Para entender quais os desafios é preciso resgatar um pouco da história do movimento sindical e a realidade dos trabalhadores brasileiros. Até o século XIX não havia nenhuma legislação trabalhista, foi através de muita luta da classe trabalhadora que foi conquistado à redução da carga horária, que chegava à 16 horas diárias. Homens, mulheres e crianças trabalhavam sem condições dignas e por salários miseráveis. Ajudavam-se mutuamente para suprir as necessidades de saúde através de um caixa solidário entre os trabalhadores. A concentração de renda neste período já era brutal e desigual.
De lá para cá o mundo passou por muitas revoluções, a revolução Russa em 1917, a revolução alemã em 1948, revolução cubana em 1959, a revolução mexicana em 1989 e várias outras revoluções sociais, todas contra os desmandos dos governos e por melhores condições sociais e trabalhistas. Na década de 30 no Brasil na era Vargas, surgia uma nova situação nas relações de trabalho, a criação do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) o início de um plano para controlar a classe trabalhadora, atrelando os sindicatos ao estado. Depois de várias ações articuladas com o poder político e empresarial da época, surgiu a CLT em 1943 que nada mais era do que a consolidação das leis que aos poucos os trabalhadores iam conquistando através da luta e da resistência, documento que foi a referência até o dia 10 de novembro de 2017. Em 1964 veio o golpe cívil militar, para novamente reprimir, prender, torturar, matar os homens e mulheres que defendiam uma sociedade socialmente justa e digna para todos os brasileiros. Mesmo na clandestinidade a luta continuou e nos 80 conquistamos a democracia com eleições diretas. Democracia representativa que permanece até os dias de hoje e que está novamente sendo ameaçada.
Neste período, muitas coisas se transformaram. Surgiram novas instituições políticas e sindicais, entre elas nasceu a CUT – Central Única dos Trabalhadores, o PT - O Partido dos Trabalhadores. A CUT e o PT foram criados justamente para fazer a disputa ideológica na sociedade, de uma sociedade justa e digna para todos com melhores condições de trabalho, melhores salários, educação publica de qualidade, saúde, enfim políticas de bem-estar social para todos. A partir da possibilidade da disputa política pelo parlamento essa disputa ideológica sempre se fez presente. Tivemos vários presidentes eleitos e sempre com a visão conservadora, priorizando a concentração de renda e o estado mínimo. Passamos por vários períodos de desemprego, inflação alta, recessão financeira. O país saiu do mapa mundial da fome e deixou de ser um dos maiores devedores do FMI.
Desde o governo Fernando Collor que vivemos a constante disputa política e social. No governo do FHC o desmonte dos direitos trabalhista foram bastante intensos. O Collor iniciou o processo neoliberal no Brasil, mas foi FHC que abriu as portas para o neoliberalismo nas relações de trabalho, iniciou a terceirização, acabou com a política salarial do país, entre tantas coisas. Neste período FHC tentou destruir a CLT e foi impedido com a mudança de governo. A partir dos anos 2000 essa história teve uma pequena mudança a favor dos trabalhadores com a eleição do LULA. Garantiu a sobrevida da CLT, proporcionou a distribuição de renda para o povo brasileiro, melhorou o acesso à educação, aumentou o número de escolas técnicas, as universidades públicas, tirou o Brasil do mapa da miséria, investiu na Petrobrás e descoberta do pré-sal, o Brasil passou de devedor a credor internacional, tivemos um período de pleno emprego, entre tantas outras ações políticas que refletiram no bem-estar social do povo brasileiro. Terminou o mandato do LULA, entrou a DILMA, que manteve o projeto no seu primeiro mandato, foi reeleita, mas não concluiu o segundo mandato. A direita conservadora brasileira pressionada pelo capital internacional não aceitou a derrota nas urnas por quatro eleições, armaram um golpe de estado sem dar um único tiro e convenceram a população que a presidente cometeu crime, golpearam os trabalhadores e a sociedade.
O preço do golpe foi implantar as reformas neoliberais contra a classe trabalhadora e a sociedade. Foi a PEC da morte; redução dos investimentos em políticas públicas nos próximos 20 anos; a legalização da terceirização ampla e irrestrita e a reforma trabalhista. Agora estão encaminhando a reforma da previdência e política. Tudo isso só foi possível porque a sociedade acreditou na falsa moralidade política, tiraram um governo legítimo e agora estamos vendo que o golpe foi articulado para destruir as possibilidades do crescimento social, a distribuição de renda, o acesso dos pobres as universidades. A elite não aceita dividir seu imenso lucro. Para reverte este quadro desfavorável é preciso ousadia e inteligência do povo brasileiro. Não é mais aceitável se deixar enganar com discurso fácil de políticos que tem suas campanhas eleitorais financiadas por empresários.
É preciso atenção, não se deixe enganar nas próximas eleições escolha os candidatos e as candidatas que realmente tenham compromisso social, que não troquem a confiança do eleitor pelos interesses das grandes corporações empresariais. O ano de 2017 está sendo um ano muito difícil e a partir de 2018 será ainda mais duro para a classe trabalhadora, mas é possível mudar desde que a sociedade fique atenta e participe do processo da mudança, cada cidadão deve assumir a sua parte não transferindo a sua responsabilidade para os outros. Cada um de nós é responsável pelo futuro das próximas gerações, assim como outros foram pela nossa. O que diremos aos nossos filhos e netos quando perguntarem o que fizemos para impedir a perda dos nossos direitos trabalhistas? O que fizemos para impedir o acesso à aposentadoria? O que fizemos para impedir a venda do petróleo, da nossa energia, da nossa água, da nossa soberania? Pense e reaja enquanto há tempo.
Rogério Manoel Corrêa – Presidente do SEEF
Lido 35 vezes Última modificação em Segunda, 13 Novembro 2017 12:13
Rogério Manoel Corrêa

Presidente (Condomínio Cannes)

Mais nesta categoria: « Relações de funções

Filiado

filiado fecescfiliado contracsfiliado cutfiliado dieese

Manual do trabalhador

Um instrumento dos trabalhadores na defesa dos seus direitos. Ele apresenta as principais garantias previstas na legislação e nas convenções e acordos coletivos de trabalho assinadas pelo Sindicato.

BAIXAR MANUAL

SEEF - Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra
Venda, Locação e Administração de Imóveis de Florianópolis/SC

Cód. Sindical: 914.565.164.01868-4    |    CNPJ: 78.664.125/0001-03
  Av. Mauro Ramos, 1624, 1º andar
     Centro -/ Florianópolis / SC
  (48) 3228-5140 / 3228-5140