icon-fone
(48) 3228-5140 / 3228-5121
Segunda a sexta / 08h às 12h / 14h às 18h
  Terça, 17 Janeiro 2017 17:19

Oportunidades

Escrito por  Rogério Manoel Correa
Avalie este item
(0 votos)
Desde que eu lembro o PT os partidos de esquerda e os movimentos sociais disputaram e continuam disputando a hegemonia política no país. Foram travadas várias batalhas dos movimentos sociais, sindicais, igrejas, academia e outros atores interessados em mudar a cara e o regime de ditadura para o regime democrático. Depois de anos de luta e resistência, conseguiram mudar, claro não foi simples, teve muitas mortes, torturas, prisões e outras maldades.
A partir das primeiras disputas democráticas a esquerda sempre se fez presente com força e projeto de governo alternativo para a sociedade brasileira. Foram várias disputas, muitas derrotas, mas enfim a esquerda alcançou seu objetivo, chegou à presidência da república com um trabalhador nordestino, torneiro mecânico com pouco estudo, mas com grande capacidade e inteligência para fazer uma política diferente, uma política de inclusão social até então nunca implantada no Brasil.
A partir de 2003 o Brasil se transformou em um país com possibilidades de realmente estar entre os maiores países do mundo. E foi o que aconteceu por algum tempo, sendo exemplo para o mundo no combate a fome e erradicação da miséria, na inclusão social plena. Período este em que todos e todas as classes foram tratadas com igualdade, negros, indígenas, homens, mulheres, crianças, jovens, idosos, pobres e ricos. Saímos do mapa da fome, milhares de jovens conseguiram entrar numa universidade em condições de igualdade, teve ampliação das universidades, moradia, luz, saneamento básico, pleno emprego, inflação baixa, maior distribuição de renda e tantas outras políticas que mudaram de forma significativa a vida de todos os brasileiros.
Apesar de tantos avanços sociais, da melhor distribuição de renda per capta, melhorar a credibilidade internacional, deixar de ser devedor para ser credor do FMI, tudo isso foi insuficiente para conquistar os cidadãos brasileiros e fazer as reformas estruturais que eram necessárias e ainda são. O PT e a esquerda brasileira tiveram uma oportunidade que talvez não tenham mais, levará muito tempo até ter outra oportunidade dessas. O governo LULA chegou a ter mais de 80% de aprovação e não conseguiu fazer uma reforma que fosse. Não conseguiu fazer a reforma tributaria, a trabalhista, previdenciária, agrária, não interferiu no monopólio da mídia brasileira e outras que poderiam ter sido feitas.
Agora estamos noutra realidade política e social em nosso país. Com a desculpa esfarrapada de ajuste financeiro e fiscal o atual governo GOLPISTA e seus ministros, com a chancela do congresso nacional igualmente GOLPISTA, conservador e reacionário estão fazendo as reformas. Um governo com mais de 70% de rejeição, um congresso sem nenhuma credibilidade e com ministros mergulhados em varias denuncias de corrupção, estão encaminhando as reformas que irão prejudicar diretamente todos os trabalhadores e os aposentados. Já aprovaram a emenda constitucional 55 que congela os investimentos nas áreas sociais pelos próximos 20 anos, prejudicando os investimentos na saúde, segurança, educação, etc. Sem levar em consideração o aumento da população neste período, aumentara a demanda e diminuirá os recursos.
O atual governo tem do seu lado a maioria do congresso nacional, uma grande parte do judiciário e também a maioria da mídia, (TV, rádios, jornais e revistas). Na atual situação acredito que este governo e seus aliados irão aprovar todos os projetos que forem encaminhados ao congresso. Como a reforma da previdência que vai acabar com as esperanças de ter uma aposentadoria digna e justa, a reforma trabalhista vai tirar muitos dos nossos direitos garantidos hoje na CLT, a terceirização ampla e sem limites irá destruir com a qualidades dos empregos e as condições de trabalho.
Durante algum tempo vivemos em zona de conforto social, este conforto terminou, é hora de reagir e lutar contra essas ameaças com o povo brasileiro e os trabalhadores deste país. Ou reagimos enquanto há tempo ou não teremos nenhuma chance contra os golpistas que estão saqueando os nossos direitos.
É preciso ocupar as ruas e mostrar o que queremos. Chegou à hora de fazer uma greve geral, só assim teremos chance de impedir os desmando deste governo e seus aliados.
Rogério Manoel Corrêa – Presidente do SEEF
Lido 596 vezes Última modificação em Quarta, 22 Março 2017 23:17

Filiado

filiado fecescfiliado contracsfiliado cutfiliado dieese

Manual do trabalhador

Um instrumento dos trabalhadores na defesa dos seus direitos. Ele apresenta as principais garantias previstas na legislação e nas convenções e acordos coletivos de trabalho assinadas pelo Sindicato.

BAIXAR MANUAL

SEEF - Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra
Venda, Locação e Administração de Imóveis de Florianópolis/SC

Cód. Sindical: 914.565.164.01868-4    |    CNPJ: 78.664.125/0001-03
  Av. Mauro Ramos, 1624, 1º andar
     Centro -/ Florianópolis / SC
  (48) 3228-5140 / 3228-5140